domingo, 15 de maio de 2016

Recomendadíssimos

A Ortognática me concedeu a oportunidade de conhecer pessoas incríveis! Grandes mestres da Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial, dos quais eu me tornei amiga e confio de olhos fechados, de maneira que sem hesitar me submeteria à outras ortog's, se fosse preciso.
O Minha biografia Ortognática tem como principal objetivo, promover a Unidade ajudando ao próximo; E diante disto, disponibiliza neste post, contatos de verdadeiros FERAS CTBMF abrindo caminhos aos diversos leitores espalhados pelo Brasil, afim que se torne possível o acesso fácil à profissionais sérios, competentes e dispostos à ajudar.


Dr. Fabrício Landim
Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial
CRO PE: 9076
E-mail: fabriciolandim@hotmail.com
Endereço1: Empresarial Universal, Rua Dr.Raul Lafayete, Nº 191, Sala 1107, Boa Viagem, Recife  / PE
Tel. (81) 3076-1944 / 8642-3334
Endereço2: IMFACE, Rua Flor de Santana, 357. Sala 103, Parnamirim, Recife / PE
Tel. (81) 3090-6565



Clínica Projeto Sorrir 
Dr. Caubi Figueiredo  / Dr. Nelson Studart / Dr. Fábio Araújo / Dra. Eugenia Figueiredo
Excelência em Ortodontia
Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial
Tel. (81) 3421-3326 / 3222-3597
Endereço: Dona Benvinda, 200, Paissandu, Recife / PE





Dr. Pedro Thalles Nogueira
Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial
Implantondontia
CRO AL: 3061 / CRO PE: 9355
Tel. (82) 3521-5939 / 9922-7679 / (81) 9742-3677
E-mail: dr.pedrobmf@gmail.com
Endereço: CLIMEO, Rua Fernandes Lima, Nº 321-c, Centro, Arapiraca / AL



Dr. Ozawa Brasil Júnior
Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial
CRO PB: 4492
Tel. (83) 8845-0265 / 9919-9930
E-mail: ozawa.brasil@hotmail.com
Endereço: Dentalclin, Av. Camilo de Holanda, Nº 475, João Pessoa / PB



Dr. Leandro Carlos Carrasco
Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial
CRO SP: 95772
Tel. (16) 3446-0342
E-mail: contato@icdb.com.br
Endereço: ICDB, Rua Patrocíno, Nº 3135, Jardim Paulistano, Ribeirão Preto / SP
site: http://www.icdb.com.br
https://www.facebook.com/institutodecirurgiaedorbucomaxilofacial




Dr. Saulo Pires Texeira
Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial
CRO BA: 95772
Tel. (71) 3354-1913 / 9973-6978
E-mail: drsaulopires@yahoo.com.br
Endereço: Av.Antônio Carlos Magalhães, Nº 3244, Ed.Tomé de Souza, Sala 610, Caminho das Árvores, Salvador / BA
site: http://bahiaortognatica.com.br
https://www.facebook.com/ortognatica





segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

2 Anos de Ortog.

A maior de todas as virtudes chama-se Gratidão.

Dois anos pós ortognática e minha festa resume-se em agradecer.
Obrigada Senhor, pois de uma forma tão intensa me inseriste neste contexto. Obrigada à minha família; neste momento recordo-me de todo desespero que a fiz submeter-se no dia da cirurgia.
Obrigada à equipe Top que me planejou e operou; Caubi, Fábio Andrey, Nelson Studart, Fabrício Landim. Obrigada à equipe do Projeto Sorrir, sem dúvidas excelência em Ortodontia.

Minha canção é: "eu faria tudo de novo, se fosse preciso".

Hoje minha satisfação manifesta-se dedicando-me à Odontologia; aprendendo com Cirurgiões BMF; Tornando a Ortog possível à outras pessoas; Sorrindo com elas.



                                                        ANTES
                                                       

                                                        DEPOIS


À todos vcs, minha sincera gratidão.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Comemorar é preciso #nota de agradecimento#

Mentoplastia -   1 Ano

Necessária, a mentoplastia coroou minha satisfação pós Ortog.
Um ano passou muito rápido. Não me arrependo por ter submetido-me à uma segunda cirurgia, e recomendo àqueles que com indicação, precisem operar pela segunda, terceira vez... 

Agradeço à todos os envolvidos nesta etapa da minha biografia ortognática.
Dedico ao Prof. Caubi Figueiredo, o meu carinho eterno... nossa amizade transporá 200 anos.
Dr.Bruno Carvalho, obrigada pela dedicação.
À minha família eu agradeço pela paciência em me "aturar" em mais um pós cirúrgico.
Aos amigos que piraram com minha decisão em operar de novo; aos que em vão, tentaram me convencer do contrário, e aos que confiaram em mim de olhos fechados; à todos vcs, minha sincera gratidão!


Abçs!



sábado, 13 de julho de 2013

Sob um novo prisma

Há quase 6 meses sem blogar, cá estou outra vez...   Satisfeita com o curso das coisas. 

1 ano, 5 meses e 27 dias  desde a primeira ortog; E 8 meses e 23 dias desde a Mentoplastia. Completamente sem edema, sei do meu real resultado. 
Durante este tempo, eu fixei o aparelho de novo =/ afim de corrigir um teimoso lateral palatinizado, coisa simples, fruto do meu perfeccionismo; o removerei dentro de 2 meses.

Meus relatos pós operatórios estagnaram, mas a ortognática nunca deixará de compor minha biografia. Eu sempre dou um jeito e mantê-la ativa de alguma forma; E nos últimos meses, estive acompanhando a ortog "do lado de lá". 
Minha vivência no HR (Hospital da Restauração) e Hospital da Face, tem me garantido a satisfação de aprender e reviver minha história espelhada em vidas alheias, anônimas e próximas. 

Odontologia se tornou um dos meus orgulhos! Lidar com vidas, construir sorrisos, levar esperanças... tudo isto às custas de muito esforço, horas de estudos, dedicação. Sujeitos incríveis, que com sorte persigo nos plantões  =) ehehehehehehehe Posso citar alguns nomes, como minha querida Quitéria, Pedro Thalles, Rafael Moura, Jhonne, Ozawa, Thiago, Camila Ximenes, Davi, Saulo, Carol, Luciano e meu eterno Caubi... entre outros que não se negam em apoio. 
À todos estes, meu muito obrigada.

Este blog continua voltado à turma do Grupo Amigos Ortognáticos com mais de mil membros!!! Aos de Pernambuco, sempre empolgados nos encontros. E sobretudo, aos membros do Minha Biografia Orotgnática, fieis leitores e divulgadores deste simplório auxílio aos que desconhecem a possibilidade de sorrir feliz.

Em todos os próximos post's trataremos sobre as mais comuns dúvidas existentes, quanto à ortognática. E se for preciso retomarei alguns assuntos já abordados. Então, todos os questionamentos via e-mails, post's dos comentários no blog e via grupo do facebook, também serão respondidos AQUI precisamente direcionada aos interessados.











Instrumentando. Fratura complexa de mandíbula.





Abçs!

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Reciclando o Pós operatório

 Passados 1ano e 32 dias desde a primeira ortog, as vésperas de completar 4 meses de mentoplastia, e em virtude do numero ascendente de leitores recém operados, Suelen Augusto, Éwerton Henrique, Emmanoely Saturnino, Vivian Scalfoni, Esdras Santos, entre outros...

além dos que estão em contagem regressiva à ortog, como minha querida Germana Guerra, Jeci Silva, Sheyla Paes, Michele Maia, Kamila Roberta, Conceição (força Ceça!!!) e outros , outros e outros que me enviam email's todos os dias e participam deste blog e do Grupo no facebook http://www.facebook.com/?ref=logo#!/oliveira.rcf.oliveira decidi reciclar no Minha biografia Ortognática alguns conselhos fundamentais para um pós operatório mais tranquilo.


O que geralmente apavora o paciente no primeiro dia de pós é:
  • não sentir o rosto
  • edema
  • leve insuficiência respiratória
  • vômitos
  • dificuldade pra deglutir, principalmente se estiver bloqueado, além de limitações fisio locomotor nas primeiras horas, o que pode causar uma certa irritabilidade.
Inclusive, é exatamente no primeiro dia de pós que alguns pacientes q outrora clamara pela ortog, passa a odiá-la mortalmente e até arrepender-se de ter feito a cirurgia.
P.s.: Eu não me arrependi em nenhum momento!!!

No segundo dia dá-se a necessidade da primeira profilaxia pós operatória e muitos querem resisti-la, por medo de se ferir, romper os pontos, sentir dor, soltar as placas e parafusos (kkkkk) enfim! são os mais absurdos argumentos ultilizados. Mas NÃO podeeeeee!!! uma boa higienização é fundamental! e vc não vai sentir dor (teu rosto está dormente lembra?), os pontos não se romperão (a maioria são reabsorvíveis e as cerdas da escova nem faz atrito neles), vc não sentirá dores ao escovar pq a hipoestesia não vai deixar (e se sentir, doerá menos que o resultado de uma afta) e sobretudo, as placas não se soltarão (e se soltar, "pelamordedeus" me avise pra eu postar aqui no blog e bater record em visualizações :D).

Outro detalhe que não pode ser negligenciado é o GELO (o melhor anti-inflamatório que há), faça muito gelo, muito gelo; A compressa com gelo precisa ser impreterível nos três primeiros dias!!!!

Não preciso dizer que se faz necessário tornar-se fidedigno aos remédios, não é? Programe o despertador em lembrete com o nome de cada belezinha a ser ingerida, e não perca a hora! Não deixe que a dor te desperte clamando por um analgésico ehehehe.

Áqueles mais manhosos, que gostam de um denguinho excessivo... e não vêem a hora de se operarem afim de cair no colinho da mamãe, eu digo que: Dengo é bom ;) mas pode estragar teu pós! se considerar um eterno dependente, te fará sentir-se um inválido! E não é assim que a ortognática te deixa.
 Vc sentirá sono e indisposição nos primeiros dias e isto é super normal, eu dormia de 10 a 14 hs por dia, mas a partir do 4º ou 5º dia quando vc sentir aquela disposição diferente, entenda que é o teu cérebro te dizendo que vc está VIVO!
Emancipem-se !!! :)
se permita sentir-se seguro à entregar-se no pós operatório... curta-o!

Experimente usar sua própria seringa com suquinho.. ;) acredite em mim, se alimente sozinho e saberás a hora certa de enjetar o líquido e degluti-lo.

Uma vez liberado da compressa com gelo, substitua-a por compressa morna (bem esperta), é hora de se livrar dos edemas e possíveis hematomas. Seja fiel.
Agora vc pode tentar aquele sorrisinho... um biquinho aqui, outro ali... :D

E geralmente, à medida em que o paciente é liberado pra fazer a compressa morna, também é liberado pra fazer drenagem linfática e esta pode ser feita em casa mesmo, frente ao espelho, com movimentos circulares nas bochechas, depois com as seções de fisio as drenagens são intensificadas. O é interessante é que se faça isto antes da compressa, faça isto e se livre o quanto antes dos edemas!

Com oito dias de pós vc ja se sentirá fisicamente muito mais disposto! Com onze dias eu ja estava na rua fazendo compras de fim de ano \o/. Com cuidados excessivos, é claro.

Posterior à isto, não haverá muitos mistérios galera! Nosso instinto é de sobrevivência! Vc saberá desenvolver habilidades jamais conhecidas.

Aproveite sua Ortog com alegria. Vc não precisa ser viciado nisto, tal qual esta blogueira que vos fala, mas, é possível acompanhar o pós operatório com satisfação. ;) eu garanto que sim.

...dado meus conselhos. E se conselho bom não se dá...  eu os vendo ehehehe cobrarei dps ;)

domingo, 16 de dezembro de 2012

Um Ano de pós =))



365 dias de Pós

Meu primeiro aninho pós Ortognática, e a emoção da data emudece-me... parece difícil calar minha matraca, né? Mas, nest post conterei minhas palavras e abusarei das fotos.

Impreterivelmente agradeço

à Deus... e poderia cessar meus agradecimentos por aqui, porque dEle, por Ele e para Ele são todas as coisas.
E, por Ele tive o privilégio de conhecer pessoas incríveis, que abraçaram a ideia de me garantir uma satisfação tamanha.
E de maneira nenhuma eu poderia abster-me em gratidão à estes:
  • família (minha infraestrutura emocional)
  • amigos (ainda há... e eu os tenho)
  •  Dra. Kátia Miranda (fidedigna)
  • Dr. Caubi Figueiredo (indescritível)
  • Drs. Nelson Studart, Fábio Andrey, Fabrício Landim (eles fizeram acontecer)
  • Dr. Bruno Carvalho (fera, acima da média, responsável por minha mentoplastia em Set.2012, coroando minha satisfação)
Felicidade existe, e manifesta é em mim...

Retrospectiva fotográfica













by.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Acompanhamento Psicológico aos candidatos à Ortognática

"Aceitar-se a si mesmo é um pré-requisito para uma aceitação mais fácil e genuína dos outros."
Carl Rogers
10 meses e 13 dias, desde a primeira ortognática
1 mês e 9 dias, desde a mentoplastia

 Começo dizendo que, estou muito bem e, satisfação é minha sombra. Removi o aparelho fixo no último dia 25 e, agora a contenção cumprirá o seu papel durante um ano. O resultado da Mentoplastia tá fluindo surpreendentemente, confesso e, mais uma vez parabenizo aos responsáveis por isto.
O post de hoje, trata de um assunto um tanto intrigante... há muito tempo eu almejava discorrer sobre o acompanhamento psicológico aos candidatos à cirurgia ortognática.
Sou membro de um grupo fechado no facebook, destinados aos pacientes que já se submeteram à ortog. e aos que ainda se submeterão. E tenho a oportunidade de observar mesmo que subjetivamente, a ansiedade, satisfação, aflição, desespero e infelizmente insatisfação de alguns, quanto à tudo que permeia as fases pré e pós operatória.
Recebo e-mails, e comentários aqui no blog de pessoas vivendo em conflitos afins, e eu me pergunto a razão de eu não estar inserida numa circunstância como esta também, visto que os "ortognáticos do mundo" dividem o mesmo contexto de necessidade. Então compreendi que a questão é muito mais complexa do que eu imagino e, tal complexidade é estupidamente negligenciada.
Curiosamente, as manifestações de alegria dizem respeito ao resultado estético-funcional beirando a perfeição; e as manifestações de tristeza estão atreladas à diferentes justificativas.

Segundo Carl Rogers, aceitar-se como se é na realidade e não como se quer ser, é um sinal de saúde mental. Não quero dizer com isto que, um indivíduo que sofre de qualquer disfunção física e/ou mental deve acomodar-se neste estado se houver grandes possibilidades de inverter este quadro. Aceitar-se não é resignar-se ou abdicar-se de si mesmo. É uma forma de estar mais perto da realidade e de seu estado atual.

Por diversas vezes discuti com outros pacientes cirúrgicos sobre como eles enxergavam a cirurgia ortognática. A forma como alguns esteriotipam a expectativa do resultado, me é estarrecedor. Por exemplo, quando eu recorri ao especialista no meu caso, aleguei  meu desconforto funcional e estético, queria ouvir dele que havia possibilidades de me deixar funcional e dentro deste, consequentemente, bela. Sempre digo que o funcional é belo e, o belo funciona. Isto basta-me.
Mas, me deparei com pacientes negociando junto ao seu cirurgião um resulto completamente fantasioso no que diz respeito à estética, coisas do tipo: "Doutor, eu quero ficar com o nariz igual ao da Adriane Galisteu e a boca igual à da Angelina Jolie". Dá pra acreditar??? dá sim.... e como dá!

Minha preocupação é: como esta pessoa ficará caso seu nariz e boca não saiam como queria? 
Qual seu grau de frustração após isto?
Qual reconhecimento feliz em virtude de um funcional 100%? À esta última, eu presumo que nenhum... pois toda sua atenção estará voltada à forma como ela foi ultrajada quanto à expectativa da perspectiva fantasiosa que tinha.

A cirurgia ortognática trata da correção cirúrgica das deformidades dentofaciais e a sua importância encontra-se não só na correção da oclusão, mas também da estética facial. Isto significa que os aspectos psicossociais estão diretamente relacionados a este tipo de tratamento, pois a aparência facial influencia a formação da imagem corporal, da identidade e da auto-estima.

A deformidade facial, com potencial psicológico e social destrutivo, causa impacto negativo, podendo influenciar não somente a autoconfiança dos pacientes, como também os relacionamentos externos, resultando em desvantagens sociais e psicológicas.
Os objetivos do paciente com deformidade dentofacial, relacionados à reparação, são também psicossociais e este pode expressar a espectativa de resolver suas dificuldades pessoais e sociais com a mudança física, ou seja,  com a melhora de sua aparência pela correção cirúrgica.

Sendo assim, penso que o processo de reparação da deformidade dentofacial, que envolve aspectos técnicos e psicossociais, necessita da cooperação do paciente e exige do profissional uma conduta integradora no trabalho em equipe multiprofissional. A desconsideração de tais aspectos pode levar não só a insatisfação do paciente com os resultados do tratamento criúrgico, mas até mesmo à problemas psicológicos pós-operatórios, como também à compreensão tardia, do cirurgião e equipe, que o insucesso (se ocorrido) pode ter sido resultado da falta de avaliação psicológica preliminar e falta de orientação apropriada.

Deve-se considerar diferentes perfis dos pacientes interessados na ciruria ortognática e compreendendo as características de cada  justificativa mediante à procura por um especialista, entendendo os anseios pelas modificações físicas e a aptidão a passar por um procedimento cirúrgico.
Eu confesso que já vi de tudo neste tempo em que me disponho "fussar" tudo que envolva cirurgia ortognática e, vou listar abaixo, alguns perfis de pacientes, os mais comuns com que eu me deparei. Creio que depois de conferir, você há de convir comigo, quanto à importância de acompanhamento psicológico durante o tratamento pré-ortognática.

1. EQUILIBRADO - Busca o consultório com uma queixa estética e funcional comum, com ambições de resultados compatíveis com a realidade e sem tentar mudar a genética. A ansiedade em relação aos efeitos é comum, assim como a insegurança, mas o paciente com este perfil geralmente fica bastante satisfeito com o resultado da cirurgia ortognática.

2. EXAGERADAMENTE PERFECCIONISTA - Mesmo com uma patente necessidade de correção dentofacial, o paciente com este perfil recorre ao especialista se queixando dos defeitos mínimos, dificilmente percebidos por pessoas não treinadas. É comum levarem fotos e até desenharem o que pretendem mudar. Este paciente deve ser exaustivamente orientado sobre o resultado possível - e não opretendido, as dificuldades técnicas e as limitações impostas pela genética. O psicólogo deve desencoraja-lo a procurar um resultado ideal, mas sim a melhora da aparência, que até pode chegar ao ideal, mas não deve tê-lo como foco.
3. ETERNAMENTE INSATISFEITO - Quando resolve procurar um Buco Maxilofacial, queixa-se de vários defeitos e a forma como isto o deixa constrangido e coagido ante à sociedade. Sua cirurgia é feita, tudo ocorre dentro do planejado. Mas ele continua insatisfeito! ignora o sucesso funcional que a cirurgia lhe garantiu,  com justificativas incoerentes, confusas... Com o aprofundamento da conversa, é frequente a busca da resolução de um problema não físico através da cirrugia, como relacionamento ruim com o cônjuge, vida sexual insatisfatória, depressão, etc. Por causa disto, nunca ficará satisfeito com qualquer procedimento, por mais perfeito que seja. Deve ser orientado sobre o fato de que a cirurgia ortognática por mais que mude em muito a vida pessoal e inter-pessoal, este precisa de acompanhamento psicológico afim de tratar questões completamente paralelas ao resultado da ortognática.

4. COM DISTÚRBIO DE AUTO-IMAGEM - Faz a cirurgia para a correção, e resiste em queixar-se  do mesmo problema, o sorriso. Esta alteração é muito comum em pessoas que submetem-se à cirugias plásticas de forma excesssiva, na tentativa de sempre melhorar sua imagem.
Devido à auto-imagem de deformidade que carregaram durante anos, o paciente sente-se deslocado quanto à aceitação de um resultado estético-facial satisfatório. O cirurgião deve, então, ter uma conversa franca, para mostrar que o defeito nãoe xiste e aconselhar a procura por aconselhamento psicológico, pois nenhuma cirurgia é capaz de corrigir esse problema.

5. EM CRISE DE IDENTIDADE - É aquele que quer ficar parecido com atores e outras pessoas públicas, costumando levar fotos para mostrar como querem que fique, detalhes do rosto a ser operado, onde muitas vezes, tais detalhes não estão incluídos no planejamento. Sofre influência dos padrões impostos pela sociedade, que o atigem na busca pelo bem-estar e por ser notado e bem aceito. Isto é muito comum aos pacientes que sofrem prognatismo, em virtude da deformidade ser patente o suficiente para fazer com que os que dela sofre imaginar absurdos de fugas, inclusive desejar identidades completamente diferente. Isto tudo está atrelado à problemas de auto-estima e sentimentos de rejeição.
O acompanhamento psicológico à este, é extrema importância desde o início do tratamento ortodôntico, momento onde começa-se a criar expextativas afins sobre como ficará. 
Outro resultado deste transtorno pode dá-se de forma inversa, o paciente é operado com louvor e de repente não se reconhece, até aí tudo normal, eu por exemplo, tenho outra identidade. Mas, quem está em crise de identidade, simplesmente não se aceita! por frustrar-se ao notar que seu rosto ideal não existe ou por querer pequenos detalhes nos traços faciais que dantes nem fazia tanta diferença, coisas como "meu rosto ficou quadrado, meu nariz arrebitado...." querer absurdos de correção que muitas vezes nem cabem à suas estrutura óssea, afim de saciar um transtorno.
De todos oas perfis, este é o mais comum!!!! é muito sério e precisa ser tratado.

6. COM DESEJO DE AGRADAR - Busca fazer a cirurgia para agradar aos pais, ao companheiro. Isto parece surreal não é? Mas há quem sofra de uma deformidade dento-facial e não se sinta nem um pouco incomodado com isto. O que não é bom, por tratar-se de uma correção primordialmente funcional e isto diz respeito à qualidade de vida, mas afim de agradar aos que lhe são mais importante que sua própria saúde, recorre à cirurgia ortognática sem nenhuma definição de auto-estima, livre de um auto-conceito sadio. Ninguém deve permitir-se à um procedimento cirúrgico, se não for de forma voluntária.

Uma pesquisa feita em 2007 por alunos de Psicologia da USP, em cima da abordagem psicossocial em pacientes Classe III de Angle, foram entrevistados 29 pacientes, questionados quanto ao grau de conhecimento sobre o procedimento cirúrgico.
E dos 29 pacientes, 12 alegaram não ter conhecimento sobre o procedimento cirúrgico a ser realizado e gostariam de receber informações. Dos 8 pacientes que disseram ter o conhecimento, 6 ficaram satisfeitos com as informações recebidas e 3 não queriam saber mais nada. As orientações e informações dadas aos pacientes podem favorecer relacionamentos adequados, aumentando a confiança, aspecto imprescindível no sucesso do tratamento. Verificou-se que os pacientes receberam informações, no entanto, a maior pontuação foi para aqueles que não receberam e, neste sentido, ressalta-se valer a pena um maior investimento neste aspecto, por parte dos profissionais envolvidos. ;)

Se faz necessário, tanto aos pacientes quanto aos cirurgiões, despir-se deste preconceito raso que considera a terapia psicológica como uma "coisa" voltada aos mentalmente debilitados.

Espero que muitos auto-conceitos se tornem saudáveis por aqui.... que não seja vã minha tentativa de persuadir-vos...

:)