quarta-feira, 7 de março de 2012

A tão temida RECIDIVA

desespero de todos os ortognáticos é sofrer recidiva. Durante o pós operatório as estruturas biológicas irão sofrer a adaptação funcional, e quando esta nova biomecânica ultrapassa os limites da adaptação, ocorre novamente uma má oclusão, isto significa que houve um retorno parcial ou total da má oclusão.
De fato deve ser muito frustrante  pra um paciente sofrer recidiva pois além de perder os benefícios estéticos e funcionais, o psicológico fica comprometido também.


Diz-se que: a recidiva, em cirurgia ortognática, pode surgir com vários níveis de gravidade;

Pequena quando não é necessário intervenção terapêutica ocorrendo uma compensação natural;
Moderada quando é necessária uma compensação ortodôntica para o restabelecimento da normalidade;
Grande quando é necessário um retratamento ortodôntico-cirúrgico;
Intratáveis quando não devem ser tratadas, por fatores individuais do paciente, independente da gravidade;

As causas da recidiva podem ser por uma falha no tratamento nas fases de diagnósticos e planejamentos ortodônticos e cirúrgicos, por fatores biológicos desconhecidos, por fatores inesperados... e/ou por falta de colaboração do paciente.

É um risco...mas pode ser evitado.
Se envolva com tudo relacionado à tua cirurgia; Esclarecimentos nunca é demais, e no mínimo você adquire conhecimento.


Hoje estou muito bem, completo 80 dias de Pós, continuo tomando Etna afim de acelerar minha sensibilidade; já noto êxito \o/... 
Fono e fisio nem tanto, por enquanto... esporadicamente.
Não temo uma recidiva. Estou esclarecida no tocante ao meu caso e se eu posso colaborar, assim o faço!!! mantenho o controle neste pós. Trabalhei meu psicológico pra isto.


Estimo que este blog continue ajudando a tantos quanto se sentirem encurralados pelas dúvidas que permeiam um pré e pós ortognática.
P.S.: as informações contidas aqui não se limitam apenas ao meu ponto de vista partindo de experências empíricas, me ultilizo de artigos fidedígnos, fundamentados na ciência.



4 comentários:

joyce mendes disse...

Rosana, conheci uma garota do RJ pela internet que sofreu recidiva. Na época eu nem sabia o que era direito.
É assustador pensar nesta possibilidade.
Em algum momento vc temeu sofrer recidivas e por isto postou sobre este assunto?

rosana oliveira disse...

Sim Joyce, eu temi recidivas sim.
Considerandouma possibilidade avulsa, eu temi.
Sempre confiante na equipe q me operou mas, o desconhecido amedronta um pouco. Não "entrei em parafuso" mas, observava com atenção aos detalhes no pós, sobretudo enquanto usava os elásticos.

Anônimo disse...

Minha filha sofreu recidiva um ano e meio após a cirurgia. Ficou muito mal,e eu também... O sorriso estava perfeitinho,mas volta e meia sentia uns estalos, então rapidamente tudo voltou ao que era. As dores voltaram, o queixo recuou... Doloroso! Agora está fazendo tratamento até que tudo se estabilize para ver qual procedimento a ser usado. Se nova cirurgia ou se conseguem puxar com elásticos. Será?? Estou muito preocupada! Li tudo que podia antes de ela fazer a cirurgia para poder ajudá-la da melhor forma possível, mas não adiantou. A tal recidiva está aí! Vamos continuar lutando e espero muito breve tudo possa voltar ao normal.

Gabriel Rodrigues disse...

Fiz minha cirurgia 7 de julho, quando o bucomaxilo pediu para eu retornar com a, apos umas 3 semanas, ela me enrolou a ponto deu retornar somente em 1 de outubro. Praticamente 3 meses depois. notei que minha mordida tinha alterado um pouco. Além de começar a abrir, ela começou a cruzar. Me buco afirma que foi falta de mecânica e estou tentando tratamento com outro orto, iniciado em novembro. Só que não tenho sentido muita evolução. Tinha mordida cruzada para direita e hiperplasia condilar. Hoje minha mordida está cruzada para o lado contrário... muito chato.